Tomorrow never knows...

Tomorrow never knows...
It is not dying, it is not dying.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Sobre Jornalistas e Gatos


Jornalistas são como gatos: hábeis, perspicazes, curiosos, caçadores.
Gatos são como jornalistas: simplesmente prezam a liberdade. No caso jornalístico, a liberdade de expressão.
Os dois tipos podem ser tanto charmosos quanto desajeitados. São malucos também e cheios de vida, nunca páram.

Jornalistas correm atrás de notícias, caçam-as.Gatos correm atrás de baratas, caçam-as.
Espécies distintas. Humano e felino, tanto em comum.
Gatos interessam-se por coisas novas. Jornalistas também. Jornalistas gostam de ler. Gatos olham para os jornalistas lendo. Gatos sobem em cima de tudo. Jornalistas sobem em morros, favelas e enfrentam tudo por uma boa (que é má) notícia.

Gatos têm sete vidas. Jornalistas vivem uma nova vida a cada dia.
O que é mais comum entre estes dois magníficos seres é que são os mais caras de pau. Entram, investigam, xeretam, comunicam.

Os gatos são tão peculiares em sua forma de agir. Agem com discrição. Jornalistas devem agir assim também.
Jornalistas debatem. Gatos arranham. Mas no final das contas, todo jornalista é um gato por dentro e todo gato tem uma rotina jornalística animal.


Júlia Justino.



"Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultura. É o movimento civilizado de um organismo plenamente ajustado às leis físicas, e que não carece de suplemento de informação. Livros e papéis, beneficiam-se com a sua presteza austera. Mais do que a coruja, o gato é símbolo e guardião da vida intelectual".

Carlos Drummond de Andrade.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Tiê - Dois


Como dois estranhos,
cada um na sua estrada,
nos deparamos, numa esquina, num lugar comum.
E aí?
Quais são seus planos?
Eu até que tenho vários.

Se me acompanhar, no caminho eu possso te contar.
E mesmo assim, eu queria te perguntar,
se você tem ai contigo alguma coisa pra me dar,
se tem espaço de sobra no seu coração.
Quer levar minha bagagem ou não?

E pelo visto, vou te inserir na minha paisagem
e você vai me ensinar as suas verdades
e se pensar, a gente já queria tudo isso desde o inicio.
De dia, vou me mostrar de longe.
De noite, você verá de perto.
O certo e o incerto, a gente vai saber.

E mesmo assim, queria te contar que eu tenho aqui comigo
alguma coisa pra te dar.
Tem espaço de sobra no meu coração.
Eu vou levar sua bagagem e o que mais estiver à mão.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Tanta coisa aconteceu nesses últimos tempos, que agora coloco todas as ideias no lugar. As coisas não me parecem tão desesperadoras e já consigo ficar em paz.
Existem coisas que fiz, que jamais farei novamente. Coisas tais que me fizeram crescer, aprender e ver que há muito mais nessa vida.
Sei que não vai ser de uma hora pra outra que deixarei minha ansiedade de lado, que serei mais segura e mais decidida em relação às minhas escolhas, mas tenho tido progressos. Sei do meu esforço. Isso é o que importa.

Eu tenho me sentido tão feliz com as mudanças que aconteceram de uma hora pra outra na minha vida. Sinto-me grata também. Aprendo a cada dia que as coisas acontecem do como têm que acontecer e se nos esforçarmos verdadeiramente para vê-las dar o resultado que esperamos. Muita paciência, respeito e paz é o que falta no mundo, por isso que tem tanto caos. Tenho praticado isso no meu mundo. Quando começamos a nos organizar e organizar o nosso mundinho, nos tornamos capazes de ajudar algo maior organizar-se também.

Antes eu queria que alguém me dissesse o que eu sou, quem eu sou. Mas esse tipo de coisa, ninguém pode responder, só o nosso coração. O meu me diz, que eu sou só mais um grão de areia no mundão, mas tenho minha significância apesar de tão pequena diante de tudo. Diz também que eu sou capaz de chegar aonde eu quiser. Todos somos capazes. Sou pequena, sou um grão...mas tenho dentro de mim, um coração capaz de amar e transmitir o que sinto através das palavras. O coração me diz, que a palavra, me faz forte e diante do coração, não há questionamento. Ele tem razões que a própria razão desconhece, todo mundo sabe.

Além de tudo, eu sou uma incógnita e a cada pequena vitória, a cada fracasso, a cada aprendizado, descobrirei um pouco mais de mim.
No fundo, somos todos iguais. Grãos de areia no meio de um deserto sem fim. Cada grão com uma história, uma vida, um valor.

Tenho sonhos, desejos e irei atrás dele com toda a garra que me foi dada. Com segurança, paciência e paz no coração.
Aprendi que o amor tem várias faces e estou embebida de várias delas. Isso me dá forças pra continuar seguindo com tanta vontade.

Obrigada. É. Nunca esqueça de agradecer. Agradecer pela vida, porque ela é única e tem que ser vivida intensa e verdadeiramente.


Paz.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

. . .


Caminho pela areia, confiante.
O peito triunfante a cada novo passo.
A quem semeia amor,
Vem a recompensa com um belo laço.

A cada nova paisagem, um suspiro.
Viajante de um mar sem fim.
Junto as mãos perto de mim.
E fechando os olhos, me retiro.

Sigo por aí, mais para lá do que para cá
E mais para cá do que para lá.
Embora não saiba aonde vou parar,
Calculo com precisão aonde quero chegar.

Chego dentro da minha alma.
E quem está lá?
Você.
Me enchendo com toda a sua calma.

Vamos agora caminhar.
De mãos dadas apreciando o mar.
Somos só você e eu.
E faço de você, meu amado par.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Solidão Produtiva. Por: MAX KLEIN.

Ama?
Liberta!

Teu lar pode ser meu.
Quando você quiser.

Meu toque pode ser seu
Quando eu quiser.

Tua presença pode ser apenas tua.
Se você quiser.

Como eu também, posso ter a minha.

Filosofia da vida fria?
Não....
Apenas uma saída minha, de emergência para o amor.

Ou talvez não...
Talvez eu nem sei se posso me queimar em todo esse ardor.

Medo, Desconfiança, Incerteza.
Substituo por Admiração e Cuidado,
nas ondas do passado deixo somente comigo o nosso aprendizado
Porque a partir de hoje, eu só quero estar do teu lado...
Mas só se você quiser também.


Para saber um pouco mais sobre o compositor, guitarrista e ilustre integrante da Banda Hóri [+], acesse: http://max-de-max.blogspot.com/

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Redação.

Jornalista por um futuro melhor

Quando eu era criança, sinceramente, nunca me passou pela cabeça escolher jornalismo como profissão. Na verdade eu queria ser um monte de coisas, todas ao mesmo tempo. Pensava em ser bailarina, professora, veterinária e até advogada. Lembro-me que quando tinha por volta dos 3 anos, brincava com meu irmão mais velho de telejornal. Ali eu fora a Fátima Bernardes, fazendo de bancada as almofadas do sofá e noticiando para a minha mãe o que lia em um sulfite em branco ou que o William Bonner ao meu lado me soprava. Os anos se passaram e naturalmente outras coisas passaram a me interessar.

Nasci sob o signo da indecisão. Logo soube que seria uma tarefa difícil escolher a carreira a seguir. Pensava muito em biologia marinha e medicina veterinária, mas depois de tirar uma nota terrível em uma prova, desisti, acreditando que as ciências biológicas não estão do meu lado. Sempre soube que as ciências exatas também não estão. Sobrou-me então, a área de humanas.

Não sei ao certo quando decidi que faria jornalismo, mas fiz vários testes vocacionais na internet e conversava muito com meus professores a respeito. Decidi-me pela carreira e fui seriamente convicta de minha decisão pelos três anos consecutivos do meu Ensino Médio. Minha mãe me apoiou (e apóia) muito em minha escolha, quem não gostou foi o meu avô. Ele diz que jornalismo não dá dinheiro e que eu deveria fazer ciência da computação ou alguma dessas coisas do futuro. É claro, que eu não o ouvi.

Fiz um semestre de design de moda, que não foi inútil, pois acredito que toda experiência é valida. Acabei caindo no curso por motivos imbecis e que prefiro não lembrar, mas o melhor de tudo, foi saber que o que eu realmente queria, não era aquilo.

Acima de tudo, escolhi jornalismo, porque acho que é uma profissão fascinante.

Sem os jornalistas, provavelmente seríamos uns tapados e não saberíamos nada de nada de lugar nenhum. É com a vontade de levar às outras pessoas o que está acontecendo no mundo e atingi-las com as palavras, que acabei escolhendo ser jornalista. Poeticamente, todo jornalista ao menos sonha que pode ajudar o mundo com o que noticia, mesmo que seja trágico, levando ao povo a conscientização, denunciando e abalando as estruturas das formas de governo.

Eu escolhi ser jornalista, porque acredito. Acredito que por mais que seja difícil, quase impossível, e até mesmo ilusório, possamos fazer do mundo, um lugar melhor para se viver no futuro.


Corrigida e comentada pelo professor. Não teve muita alteração, mas aprendi com os erros.

Vide comentário: Muito, muito bom. Tem “poética” e cadência. Está na ordem certa (começo, meio, fim). Atenção à pontuação e ao uso das vírgulas.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Faculdade.

Minha apreensão diminuiu depois que entrei naqueles corredores e vi aquele tanto de gente que deve ter um tanto em comum comigo.
Senti em meus pulmões o fôlego que me fugia até então.
Estou com um bom pressentimento à respeito dos meus próximos 4 anos de Faculdade.
Tenho me sentido com vontade de aprender e ir atrás do que é realmente importante.
Toda vez que desço para o Bloco K, já me encho daquele fôlego. Levanto a cabeça, deixo os olhos e ouvidos atentos e espero que meu cérebro aja de acordo e processe bem cada informação que me é dada.

Fascínio prévio em relação aos dias que virão. Promissores, longínquos e velozes.

Feliz por estar de volta, só que agora, aonde eu deveria estar.