Tomorrow never knows...

Tomorrow never knows...
It is not dying, it is not dying.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

A mágoa.

Eu não quero saber da sua vida. Não quero saber o que estava vestindo ou o que comeu hoje. Não quero nem se quer saber se está bem ou não.
Eu não quero saber se os teus dias têm sido longos ou curtos. Se tens pensado em mim como pensou algum dia.

Eu quero sentir o sabor da minha vida. Eu quero saber o que me interessa e correr atrás do que me faz bem. Eu quero fazer um futuro maravilhoso à partir do que colho no presente.

Não sou infeliz como você e nem incapaz. O que você sabe fazer? Você sabe destruir o que é bom. Assim como destruiu todas as chances que tinha de eu te perdoar mais uma vez. Família, a gente realmente não escolhe! Se eu te conhecesse antes de nascer e pudesse escolher, jamais te escolheria para ser meu parente.

Você jogou fora todas as chances de ser feliz e de ter pessoas que se importavam contigo do teu lado. E agora? Agora eu não estarei mais no mesmo lugar que você e se puder desviarei ao te encontrar.
Você não merece tudo o que teve, pois nunca soube valorizar. Mas é sempre assim mesmo...só que ao invés de você valorizar depois de ter perdido, você simplesmente insiste em perder coisas que você nem tem mais.

Se você morresse amanhã, falta não me faria e sim me aliviaria.
Pode parecer pesado e rude tudo o que escrevo, mas é só um desabafo.

Você destruiu até o nosso laço de sangue. Nunca mais venha me dizer que sou sua irmã querida e que faz tudo por mim, porque para mim você não existe mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário