Tomorrow never knows...

Tomorrow never knows...
It is not dying, it is not dying.

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Let get what I want.

Prefiro morrer sendo considerada como louca do que me render à normalidade.
Por que os princípios morais criados pela sociedade têm que ser seguidos à risca para sermos pessoas boas e/ou decentes?

Fumar maconha faz de mim uma infratora mesmo que eu doe milhões de dólares para instituições de caridade? Ser alcoólatra ou dependente de outra droga qualquer e pagar por isso sozinha sem ninguém metendo o bedelho onde não é chamado é errado? E se eu não ligar e transar com um cara no primeiro encontro porque senti vontade, isso faz de mim uma vagabunda?

Os estereótipos estão aí jogados por todas as calçadas. É o capitalismo selvagem. Matar ou morrer e ser "BOM" aos olhos da sociedade para subir na vida. E as pessoas que puxam tapetes sorrateiramente? Eles que parecem pessoas boas e decentes, vão para o céu? Como alguém pode ser taxado de alguma coisa sendo que todo mundo diz que só quem poderá nos julgar é Deus e bla bla bla?

E Deus? Só porque eu não acredito em Cristo isso faz de mim uma adoradora do "DIABO"? Não acredito nele também. Mas e se eu for atéia? Qual o problema? Eu não entendo a mania que as pessoas têm de se meter na opinião intrínseca de cada um. Eu não concordo com a bíblia, acho que é tudo mentira e daí? Isso não faz de mim uma pessoa melhor ou pior. Deus deve sofrer muita pressão aonde quer que ele esteja e eu não gostaria de estar no lugar dele. Eu não acredito que sejamos sua imagem e semelhança, acredito no Universo.

A minha opinião é tão contrária. As pessoas não entendem meu ponto de vista e me julgam. Mas é porque elas não tiveram as mesmas experiências que eu. Não viram e não foram criadas da mesma forma. O que eu acho ótimo, porque se não houvesse diversidade, tudo seria monótono.

Me deixe ter o que eu quero ter. Me deixe ser o que eu quero ser. Me deixe dizer o que eu quero dizer, sem me julgar. Eu não atiro pedras nas opiniões alheias, eu apenas não concordo. Mas nunca deixo de respeitar, porque quero que respeitem a mim também, só que não respeitam.

Ainda sim, prefiro morrer sendo considerada louca do que me render à normalidade.

2 comentários:

  1. Isso tudo é consequência de dois grandes pontos: a falta de capacidade crítica nas pessoas e a hipocrisia. Parece ser difícil pensar e chegar as suas próprias conclusões, é muito mais fácil agarrar qualquer opinião pronta que já esteja disseminada por ai. Ou então as pessoas até tem suas próprias idéias, mas não tem peito pra dar a cara a tapa e as assumir. É bem mais fácil se esconder atrás de falsos moralismos.
    Pois é.

    ResponderExcluir
  2. conheço muita gente que se esconde atrás de moralismos, cheiradores filhinhos de papai que vão à missa aos domingos e não perdem uma reunião da família. Gente que consome a periferia e cospe nela. Sinceramente é o que mais me revolta

    ResponderExcluir