Tomorrow never knows...

Tomorrow never knows...
It is not dying, it is not dying.

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Jamming



We're jamming, jamming
and I hope you like jamming too.
Ain't no rules ain't no vow we can do it anyhow
and I know will see you through,
'Cos every day we pay the price with a living sacrifice
jamming till the jam is through.


terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Nada que não fosse sonho





Onde ninguém comum jamais veria






Tantas coisas que eu quero
que eu entendo, que eu espero
Tantas coisas que eu vejo
Meus desejos

Revendo meus conceitos
Sonhos, defeitos
Conhecendo meu jeito
Desfazendo preconceitos

Sentindo falta de um
preenchimento
no fundo do peito
Como se o espaço vazio
Estivesse confuso demais
para ser habitado outra vez

Entrando no eixo
Encontrando o equilíbrio
Enxergando além
Tornando real

Aprendendo a viver
uma nova vida
E vendo coisas que jamais veria
se tudo não tivesse mudado

Obrigada, por todo aprendizado
Por tudo que me é designado
Por me sentir em casa
Por me sentir mais forte

Vivendo.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

No expressar
No doar
No entregar
No esperar
No despertar

No sussuro
No suspiro
No arrepio
No desvio

Nas costas
Nas coxas
Nos seios
Nos olhos

No tremor das
pernas
No tremor das
mãos
No tremor do
coração
da tensão
da atenção
do tesão

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Sei falar sobre o que sinto

Mesmo que não saiba direito o que sinto realmente.
E é um misto de tudo. De saudade, de amor, de tristeza,
de carinho, de apego, de xamego.
É querer, não querer. Voltar ao passado em pensamentos.
Um milhão de dúvidas e certezas, perguntas e respostas.
O grande emaranhando, desemaranhando-se.
Caminhos opostos, descruzados.
Desencontro.
Desatino.
Desafio.
Destino?

Falo sobre o que sei. E o que sei, é que sinto, sinto tudo.
Sinto intenso, sinto forte. Dói e passa, não importa o que se faça.
Faz e não faz sentido. E tenho sentido um turbilhão. É é sobre isso
que eu sei falar.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Hoje

Hoje é o 2º dia que choro
As lágrimas escorrem sem pedir
Eu me lembro de sentir
que coro

No fim das contas
Hoje é só um dia comum
dos dias que chorei
só mais um

Hoje eu sei que não
é assim tão difícil
Que um dia terá sido
lembrança de um vício

O amor que hoje não
é mais e ontem era tanto
Não vai mais ver
meu pranto

Hoje eu começo a sorrir
Pro passado que me fez
evoluir

Hoje eu agradeço
por tudo
desde o começo

domingo, 12 de fevereiro de 2012

O que restou de você em mim

Há algum tempo já que não me via fraquejar.
Mas querendo ou não, você me faz resgatar em mim
momentos que vivemos juntos e ainda é tão difícil
lidar com isso.
Tenho me desligado disso com facilidade e talvez um
pouco de desespero. Parece que ainda lembro de todas
as vezes em que me falaram que eu não tinha que lutar
tanto por nós, porque não daria certo. Do nosso modo, deu.
Só a gente sabe. Ninguém estava lá o tempo todo,
vendo o que fazíamos, sempre foi tão você e eu.

Cozinhando. Vendo tv. Ouvindo músicas. Você cantando.
Dormindo. Amando. Comendo. Fumando. Andando. Conversando.
Rachando. Fomos uma dupla muito boa.
Vejo que o que restou de você em mim, foi o que passamos
de bom. As (muitas) coisas ruins que passamos, foram as coisas
que mais me fizeram crescer e aprender.
Mesmo assim, lidar com a ruptura sempre é complicado. Mesmo
que estejamos felizes longe, felizes com outras pessoas, felizes sozinhos...
mesmo que não nos vejamos de novo; o que sempre restará de você dentro
de mim, A VERDADE de tudo o que passamos. Os nossos sentimentos. Sempre
em transmutação, constante. Eu sei, que é um carinho, e algo incondicional
que vai sempre pertencer ao que eu sou, ao que fui e ao que me tornei.

Acho que precisava, desabafar um pouco. Não tenho me deixado pensar muito nisso.
Mas de repente, você bateu na janela das minhas lembranças. Agradeço, por fazer parte de algo que já me tomou por inteiro e que hoje guardo com maior consideração e afeto.
Sempre desejo o melhor a você. Cuide-se.

Agora, sigamos em paz.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

...

O quadril segue o ritmo
O ritmo dita o caminho
Eu apenas sigo

Esquerda, direita
Não esqueça das mãos
Dos olhos, sorriso

Os pés no chão
A mãe terra guiando
ditando a dança
no coração

O caminho encontrado
e a música terminada
O coração confortado
E a sua chegada

No interior e ao redor

Essa presença tão real
Que me faz respirar de um
jeito desigual
quase caio, passo mal

Mal não, bem, muito bem
sorrio, sorrio como ninguém
Meu coração se ilumina
e não quer nem pensar se termina

Segue então a vida a fluir
E nesse céu lindo vamos colorir
as flores e os planetas
corações e cometas

No interior e ao redor
presente no espaço
Sentindo na pele
o que nunca aconteceu

No interior e ao redor
Outro dia amanheceu

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

E ai, como é?
É amor
é temor
é calor
é saudade

É um beijo
um desejo
um abraço
e a vontade

O coração saltitante
vai chegar
triunfante
Quanta paz

Sem dor
O caminho seguro
sem medo do escuro
confiança
em frente

Amado
chegará o dia esperado
mais que inesperadamente

E tudo que eu posso dizer
desse amor
é que ele nunca deixou
de ser meu
e tanto meu se faz agora
tomando conta
de todo
o meu
ser.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Tempo que não existe
e insiste em não passar
Tempo que se espera
e não se espera só

Tempo de saudade
de vontade
de amor
e amizade
Tempo de ir, vir, voltar

Tempo de sonhar alto
de cantar
voar e abrir a mente
Tempo da gente

Da gente se ver
da gente se ter
da gente se amar
de relembrar
de reviver
viver
e viver

Tempo da alma
tempo da vida
nosso tempo
chegada e partida

Tempo de respirar
abraçar
Não deixar passar
nada