Tomorrow never knows...

Tomorrow never knows...
It is not dying, it is not dying.

segunda-feira, 12 de março de 2012

...

E ela surgiu pálida, cansada, sem vida. Já havia dado tantas braçadas contra uma correnteza forte que nem sabia mais em que direção chegara.
Morta de cansaço, jogada na areia.

E ele surgiu correndo, ofegante, buscando-a. Em cima das pedras observara aquela mulher que nadava sem parar e era cada vez mais puxada pela água. Percebeu que a correnteza estava trazendo-a para a praia e desceu o mais rápido que pôde para alcançá-la.

Com a cabeça dela em sua perna, deu-lhe tapinhas no rosto a fim de acordá-la. E nada. Fez respiração boca-a-boca e aí jorrou um monte de água, ela tossiu, afogou e tornou a respirar.

Os dois se olharam e souberam que ambas as vidas foram salvas ali.

Nenhum comentário:

Postar um comentário