Tomorrow never knows...

Tomorrow never knows...
It is not dying, it is not dying.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Solitude

E me sinto só.
Nessa garganta
um nó.
Desatar.

A lua eu nem vi
Seus raios
não senti
Cadê?

A solitude na
longitude
A saudade
corrosiva.

Pedir muito
não é
Querer muito
é tanto
Que deixa nó
atado
coração apertado
sorriso guardado

Um abraço
saudoso
gostoso
amável

Falta dos olhos
do gosto
do cheiro
do gesto

Cenas repetindo
no filme da memória
agora

VÊ SE NÃO DEMORA A VOLTAR
meu coração já não aguenta,
e quer te amar.

Um comentário:

  1. A Terra de meu planeta estava eu a mirar! Trazendo as melhores notícias pra você se engraçar :D

    ResponderExcluir