Tomorrow never knows...

Tomorrow never knows...
It is not dying, it is not dying.

sábado, 28 de abril de 2012

No fundo dos olhos

No fundo dos olhos já não posso olhar. Não enxergo de longe nem com as lentes novas. Como faço pra enxergar e te mostrar o que de fato há dentro destes olhos distantes? E te alcanço com um canto pranto. Pronto. Ao chegar perto... suspiro sorriso pranto. Pronto. No fundo dos olhos em que encontro a paz... No fundo dos olhos em que eu guardo meu amor... No fundo dos olhos em que eu vivo... Tudo o que se sente é real.

terça-feira, 24 de abril de 2012

Como o tempo passa...

A última vez que te vi, você me virou as costas segurando um vaso com o nosso pezinho de maconha. Eu não queria demonstrar o quanto estava sofrendo com aquilo tudo. Os últimos dias haviam sido os melhores alguns dos melhores dias das nossas vidas juntos. Não conseguia mais dormir sem você do meu lado na cama. Um colchão de solteiro, sem você. Agora um de casal. Também sem você. E às vezes me sentir sozinha faz mais do que parte do meu dia a dia. Tem feito parte de mim. Embora tenha crescido e visto que muitas vezes fui uma boba, me conheci bastante nesse tempo só. Apesar de ser ruim, é bom. O que acontece, é que eu penso em você todos os dias. E mesmo com todo esse tempo que já passou, eu acordo e lembro de tudo o que aconteceu. Fico com vontade de conhecer seu "novo" eu. E como será? Consigo ver que não conseguirei conter as lágrimas. Como sempre, fraquejo quando o assunto somos nós. Como se não bastasse sentir sua falta todos os dias, tenho que me conformar que a hora certa ainda não chegou e precisamos ser mais um pouco pacientes. Mesmo dormindo, constantemente me aparece você com seu ar diferente e igual. Me dá uma vontade de ficar do seu lado e nunca mais ir embora ou te deixar ir. Viver todas as aventuras que planejamos. Eu quero viver ao seu lado. Olhar nos teus olhos novamente e constatar o que eu já sei: que você é e sempre foi o homem da minha vida. Nos momentos bons e ruins. Por favor, mais doses de momentos bons, obrigada. Eu quero uma nova viagem e um novo destino criado por nós. Ir para onde quisermos e pronto. O amor quando é verdadeiro, permanece intacto. Quando tocado novamente, eleva-se. E não há dúvidas de que o seja, pois se não fosse, não haveria tanta vontade, saudade, esperança e certeza. Todo afeto, carinho, paixão...o amor que estava guardado - desabrochou. Olhos nos olhos e você saberá que eu digo a verdade. Que é minha maior vontade, nós.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Um astronauta

Ela sentia uma coisa estranha a respeito dele. E passava na sua cabeça ao olhar as fotos tiradas e ao passar pelo mesmo caminho por onde conversaram de mãos dadas, que era demais pra ela. Pouco tempo se passou e uma certa ferida ainda não cicatrizara. E tanta intensidade e amor, a acuaram. Não queria amar alguém distante. Que não pudesse tocar a todo momento. Porém, sabia que não estava pronta para renunciar às coisas que conquistara neste período. Ela não soube dizer. Queria sair de fininho. Tentar não machucar tanto. De qualquer maneira não a fez se sentir melhor, tampouco ao astronauta.

De longe, mais longe do que nunca, ela olhava para ele, e via que ele ia seguir sua jornada. Fora sem dúvida a pessoa mais interessante e peculiar que conheceu. Um astronauta de outra Galáxia. Um lugar perdido. Mais um mochileiro que astronauta. Ela o admirava muito. O respeitava. Gostava dele.
Um dia ela acordou e soube, que não estava pronta para continuar o caminho que ele havia traçado para eles. Ela já estava distante e foi embora rápido como chegou.

Ela pensava que era melhor assim. Ele entenderia com toda sua sabedoria e seu coração, que ela nunca quis machucá-lo ao sair sem dizer adeus de verdade. Muitas coisas ao mesmo tempo a bombardearam e ela não teve tempo de pensar em como ele se sentiria. Egoísta e humana.

Então, ela pegou uma caneta e escreveu em um papel:

"Mochileiro das Galáxias, você ainda tem muito a conhecer. E eu também.
Embora os caminhos sejam opostos, a Bailarina não irá esquecer o que aprendeu com você. Tudo foi tão intenso como um furacão. Ar e Ar.
Serei infinitamente grata por todo amor, afeição e carinho que me dedicou e não duvide que o que dediquei foi verdadeiro, pois foi.
Agora tenha uma linda vida. Como você é capaz de fazer. Tão maduro. Inteligente.
Seja feliz. Simplesmente. Como eu sei que você gosta.


Adeus é muito forte, então, até breve! Me manda uma carta quando quiser.
Om Shanti Om.


Bailarina"


Deu um beijo no papel e jogou no ar. Sabia que sua mensagem chegaria de qualquer maneira. Sentiu-se um pouco aliviada. Ela sabia que ele iria entender. Um dia sentariam em frente ao mar e sorririam. Sem pesos, sem cobranças, seriam amigos de novo.


Então ela sorriu e pegou suas sapatilhas de ponta.

domingo, 8 de abril de 2012









Everytime I close my eyes
It's like a dark paradise
No one compares to you
I'm scared that you won't be waiting on the other side





I'm in his favorite sun dress
Watching me get undressed
Take that body downtown
I say you the bestest
Lean in for a big kiss
Put his favorite perfume o

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Ele está passando rápido.

Tempo. Como se esvai. Ainda rebobino na minha cabeça, as cenas que já se passaram. Parece pouco e tanto. Como se fizesse uma eternidade, mas na realidade foi bem menos.
Continua sendo. Instala-se o sentimento da saudade de uma maneira em que ele vê as coisas que ainda não aconteceram, se desenharem e materializarem-se perfeitamente. Como naquele sonho e na luta que fora tão sofrida.
Agora o sentimento que vinha à tona, era tão forte quanto pareceu o anterior. Agora ela sabia que conseguiria tocar e sentir. E tiveram então que passar por uma prova difícil como aquela, para terem uma nova chance. Uma para cada. Pois já nem se falavam mais. E um dia com um sonho seguido de choro, ela resolveu ligar. Já fazia tempo que não tinha notícias. Aparentemente, os dois estavam vivendo suas novas vidas.
Ao atender, irrompeu-se no silêncio, o choro desesperado. Há tempos não via essa imagem de si, de coração despedaçado. Estava vivendo um momento muito feliz. Conheceu pessoas novas e estava em um lugar lindo. Porém, por debaixo de toda felicidade, havia um coração ainda machucado. Sentindo-se incompleto. Ninguém nunca seria ele.
Diferentemente das vezes que ela lembrava, ele tentou entender quem era. Quando soube, demonstrou enfaticamente a surpresa em sua voz. Acalmou-a, tentando fazê-la falar e também, respirar. Eles conversaram por um bom tempo. Foi como se sentir em casa outra vez. Como quase ter certeza de que tudo iria dar certo como foi combinado.
Quase. Podia quase tocar seu rosto, sentir sua pele sob seus dedos e respirar perto um do outro. Sentiu seu coração estremecer, como naquele dia de julho, em que haviam se beijado pela primeira vez.
A saudade realmente era uma coisa poderosa. Sentindo em cada parte do seu ser que a certeza que sempre tivera na vida, não estava equivocada. Um dia, e sim, ele chegaria. Tudo seria como sempre deveria ter sido, desde o começo. Não haverá sofrimento no novo caminho que segue. Conheceram-no e agora só queriam deixar em si as marcas do amadurecimento, a dor passou.


E como ele está passando rápido. Não demorará a chegar a hora em que irão se reencontrar. Um arrepio na espinha cada vez que pensa nisso. Mas avançar no tempo ela não pode de novo. Quando fizeram isso uma vez, não deu certo. Era preciso um pouco mais de paciência.
Logo tudo se faria completo.