Tomorrow never knows...

Tomorrow never knows...
It is not dying, it is not dying.

domingo, 2 de dezembro de 2012


Fui procurar palavras
pra escrever um poema pra você.
Me deu um branco total,
não sei, fiquei irracional.
Queria encher-lhe das mais
belas palavras e do mais belo
sentido que pudesse encontrar...
aí me atrapalhei, tropecei, caí
e no fim nem encontrei.
Mas você vai entender
que o que eu queria dizer
é que é tão bom conhecer você.
Aí eu lembro que também queria
dizer que é bom lhe falar, rir
e dançar.
Eu queria mesmo escrever umas
rimas, mas não consigo, as
palavras esvaem-se dos meus dedos
sem que eu possa expressar o que
eu sinto, com a beleza que eu queria.
Tudo bem, agora já foi.
Você vai ler e concluir que eu tentei
falar sobre amor.

Um comentário: