Tomorrow never knows...

Tomorrow never knows...
It is not dying, it is not dying.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Sobre ser/estar aqui/agora

Não nasci para ser de ninguém.
Nasci para ser como o vento
Que vem e vai,
 intenso ou leve como brisa.
Nasci para ser alguém
que corre como o tempo
que aprende mais e mais
conforme vai descobrindo
a verdade da vida.
Nasci para ser como o céu
que ora é azul sem nuvens
e ora é um nublado infinito.
Nasci para ser filha da mata, e correr
entre as suas mais altas árvores.
Nasci para ser como o mar,
como onda...
Inconstante, perigosa, profunda,
e também mansa e acolhedora.
Não nasci para ser de ninguém.
Nasci para ser minha e mesmo
assim não sou de mim.
Sou filha da natureza e
sou a natureza.
Nasci nesse mundo para
cumprir uma missão
que ainda não descobri qual é
Mas sigo com fé
Porque sei que
não nasci para ser de ninguém.




Nenhum comentário:

Postar um comentário